Por Que Nossa Cultura Está Sendo Tão Duramente Atacada?
(14/07/2018)

Quando lemos que a ONU recomenda ações de governos para atuarem em áreas como economia, educação, cultura, agricultura, urbanização, migração, direitos humanos e outras áreas, pensamos que isso é dirigido e acatado pelos governos de todos os países do mundo.

FamíliaEsse pensamento é lógico, porque a ONU foi criada em 1945 para atuar na redução dos conflitos entre países e grupos beligerantes e se todos os países tiverem boas condições de vida para as famílias de seus cidadãos os conflitos vão ser reduzidos. Só que não. Isso pode ser visto com mais detalhes no artigo Como Foi Que a ONU Adotou um Viés Tão Anti-Ocidental?

Essas recomendações só são seguidas por países democráticos ocidentais, principalmente os de cultura greco-romana, de maioria Cristã. Nenhum país de maioria muçulmana aplica as recomendações da ONU, exceto aquelas que trazem recursos de interesse para país ou ajudam a expansão do Islã.

Desde sua fundação, vários meios têm sido usados para a expansão do Islã, entre eles estão a guerra, a migração em massa e a fertilidade das mulheres.

Por exemplo, recomendações sobre planejamento familiar, que sugerem a redução do número de filhos e até mesmo o aborto para gestações indesejadas, são amplamente acatadas em países ocidentais, mas frontalmente rejeitadas em países muçulmanos e também por famílias muçulmanas residentes em países ocidentais.

Recentemente temos visto o crescimento de exposições de conteúdo erótico, acessíveis a crianças, como a exposição “Queer Museu”, promovida pelo banco Santander, com incentivos da “Lei Rouanet” e outra exposição no MAM de São Paulo, promovida pelo banco Itaú, também com incentivos da “Lei Rouanet”, onde meninas eram estimuladas a tocarem no corpo de um homem nu.

Dezenas de outras exposições do mesmo gênero são incentivadas e financiadas com recursos públicos em todo o Brasil. O próprio MEC distribui didáticos de “educação sexual” para escolas de primeiro grau.

A ONU estimula e financia movimentos sociais GLBT(P) promovendo a inclusão do P na sigla, para abranger também os “pedossexuais”. Esse grupo de “pedossexuais” é composto na maioria por homens que gostam de fazer sexo com crianças.

Homem Nu MAM 2Por que razão a ONU estimularia a pedofilia e a desagregação da família tradicional?

A ONU promove dezenas de ações que parecem meritórias, mas têm como principal objetivo o enfraquecimento da cultura tradicional ocidental. A ONU não vai declarar que estimula a pedofilia, mas inventará alguma forma de alcançar o mesmo objetivo criando slogans do tipo “Criança também tem direito de sentir prazer”, parecendo estar apenas defendendo mais um  “direito” das crianças, assim como faz com o “direito” da criança ter educação sexual na escola.

A ONU estimula o aborto indiscriminado, chamando-o de “planejamento familiar” e aproveita a ganância de empresas que comercializam os fetos abortados. Você não verá muçulmanas em clínicas de aborto, mas verá muitas delas nas clínicas de natalidade.

Em 1945 a ONU foi fundada por iniciativa dos principais países vitoriosos na segunda grande guerra mundial e era composta por representantes de 51 países, praticamente todos de cultura greco-romana.

Com o passar do tempo, outros países foram sendo admitidos e em 2018 conta com 193 países, sendo que 82 deles são regimes não democráticos e desses 82 países, 57 são ditaduras teocráticas muçulmanas.

Os muçulmanos não têm restrições a casamentos com crianças e pode ser estabelecido quando as meninas completam seis anos de idade e pode ser consumado sexualmente quando tiverem 9 anos. O próprio Maomé fez isso com uma de suas esposas, Aisha.

O Profeta escreveu o (contrato de casamento) com Aisha quando ela tinha seis anos e consumou seu casamento com ela enquanto ela tinha nove anos de idade e ela permaneceu com ele durante nove anos (ou seja, até a sua morte)” – Bukhari 7.62.88.

Casamentos com meninas aumenta o tempo de fertilidade das mulheres, ensejando a possibilidade de maior número de filhos.

Muçulmanas Assistência SocialOutra recomendação da ONU para os países ocidentais é o conceito de família ampliada, na qual, além do marido e esposa, são incluídos outros membros. Isso está sendo muito estimulado e tem a ver com o conceito familiar dos muçulmanos, no qual o homem pode ter várias esposas.

 “Se temerdes ser injustos no trato com os órfãos, podereis desposar duas, três ou quatro das que vos aprouver, entre as mulheres. Mas, se temerdes não poder ser equitativos para com elas, casai, então, com uma só, ou conformai-vos com o que tendes à mão. Isso é o mais adequado, para evitar que cometais injustiças”. (Corão 4:3)

Quanto maior for o número de esposas, maior a possibilidade de geração de maior número de filhos.

É necessário dizer que a aplicação do conceito de família ampliada não é tolerado com os membros de religião cristã dos “mórmons”, perseguidos incansavelmente e presos por praticarem a poligamia, mas a prática é aceita no caso das famílias muçulmanas.

Os globalistas defendem que os países ocidentais tenham suas “fronteiras abertas” aos imigrantes de países em conflito ou com sérios problemas sociais, principalmente do oriente médio e norte da África.

Acontece que essas regiões são habitadas predominantemente por famílias muçulmanas, que trazem consigo a fé islâmica, não se integrando à cultura dos países europeus ou americanos.

O maior exemplo do uso da migração e da fertilidade para expansão do Islã, foi dado em 1974, pelo então presidente da Argélia, o muçulmano Houari Boumedienne, que declarou:

“Um dia, milhões de pessoas abandonarão o hemisfério sul e irão para o hemisfério norte. E não irão como amigos, porque irão para conquistá-lo e o conquistarão com seus filhos. Será o útero das nossas mulheres que nos darão a vitória”.

A última tentativa de expansão do Islã pela guerra foi feita em 1683, na batalha de Viena, empreendida pelo Grão-Vizir otomano Kará Mustafá, derrotado pelos Cristãos, liderados pelo rei da Polônia, Jan Sobieski.

Batalha de Viena 1529De 1683 em diante o Islã declinou e foi praticamente subjugado pelas forças ocidentais, mas ressurgiu no século 20 graças à riqueza dos petrodólares e a permissividade da cultura ocidental, conforme descreve a estudiosa Brigitte Gabriel, no discurso transcrito neste artigo.

Resumindo: A ONU e as ONG financiadas por ela e por globalistas como George Soros, promove muitas ações para redução da natalidade e desagregação dos costumes ocidentais, ao mesmo tempo que estimula o crescimento da quantidade de muçulmanos em países ainda de maioria Cristã.

                                            Luigi Benesilvi

Ir para a Página Principal do Blog
Contato: spacelad43@gmail.com
Youtube: http://www.youtube.com/c/LuigiBSilvi
Twitter: @spacelad43

SIGNIFICADO DE ALGUMAS PALAVRAS ÁRABES:
Jihad (Luta pela causa de Allah)
https://pensa960.wordpress.com/2017/09/03/jihad-luta-pela-causa-de-allah-peter-townsend/
Ahl-al-Kitab (Povo da Bíblia)
https://pensa960.wordpress.com/2018/05/14/ahl-al-kitab-povo-da-biblia-peter-townsend/
Kufar ou Kafir (não muçulmano)
https://pensa960.wordpress.com/2018/05/13/kufar-descrente-peter-townsend/
ou
https://youtu.be/ulSHAlgKd_M
Dhimmi (vassalo)
https://pensa960.wordpress.com/2018/05/11/dhimmi-pessoa-protegida-vassalo-peter-townsend/
Dar-al-Harb (Terra da Espada)
https://pensa960.wordpress.com/2017/09/08/terra-da-espada-peter-townsend/
Sharia (Lei Islâmica)
https://pensa960.wordpress.com/2018/02/19/lei-islamica-sharia-peter-townsend/
Riddah (Apostasia)
https://pensa960.wordpress.com/2018/05/01/abandono-da-religiao-riddah-peter-townsend/
Taqiyya (Mentira)
https://pensa960.wordpress.com/2018/05/13/taqiyya-dissimulacao-peter-townsend/
Tawriya (Dissimulação)
https://blogdoluigib.blogspot.com.br/2017/03/dissimulacao-e-mentiras-no-isla.html
 

ALGUNS ASSUNTOS RELACIONADOS: 
É Verdade que no Islã é permitido Mentir?
https://pensa960.wordpress.com/2017/09/16/e-verdade-que-no-isla-e-permitido-mentir-ainaz-anni-cyrus/
Sharia para Não-Muçulmanos:
https://drive.google.com/file/d/0B_uDSKYpTRmWU3NRcVc5NVZUa28/view?usp=sharing
Uma Breve História do Islã
https://pensa960.wordpress.com/2018/03/07/uma-breve-historia-do-isla/
Arábico para Não-Crentes
https://drive.google.com/file/d/0B_uDSKYpTRmWOFpZTFZPaFE2Y0U/view?usp=sharing